LG vai encerrar operações no mercado de celulares; medida impacta fábrica em Taubaté
05/04/2021 08:43 em Economia
A LG anunciou nesta segunda-feira (5) que vai encerrar as operações no mercado de celulares. A medida deve impactar diretamente a fábrica de Taubaté, no interior de São Paulo, a única da empresa sul-coreana no Brasil voltada para a produção de smartphones. A unidade, que também produz monitores, tem cerca de 1 mil funcionários. Desse total, 400 estão alocados na área celulares.
 
A produção de monitores em Taubaté não deve ser afetada pela medida. O anúncio desta segunda também não deve afetar a outra fábrica que a LG mantém no país, que fica em Manaus (AM) e produz aparelhos de ar-condicionado, geladeiras e outros eletrodomésticos da chamada linha branca.
 
A empresa afirma que o encerramento das operações no mercado de celulares foi definida após sucessivos prejuízos na área. Antes, a companhia havia tentado vender todo o setor, mas, sem sucesso, optou pelo encerramento das atividades.
 
Os trabalhadores da divisão de celulares de Taubaté aprovaram estado de greve em 26 de março. Eles buscam negociação com a empresa diante das incertezas.
A TV Vanguarda, afiliada da TV Globo na região do Vale do Paraíba, entrou em contato com a LG para questionar sobre qual deve ser o futuro dos trabalhadores da fábrica, mas não havia obtido resposta até por volta de 8h30.
 
Presença no mercado caiu de 4,1% para 1,6%
 
De acordo com o site Statcounter, que mensura a participação de marcas no mercado de celulares, atualmente a LG tem 6,5% de participação no mercado de smartphones no Brasil e 1,6% no mercado global, onde já chegou a registrar 4,1% em 2014. No Brasil, ela chegou a ter 16,1% do mercado em 2013.
 
Fracasso em negociações de venda
 
O futuro da LG já era especulado pela imprensa internacional desde o início do ano. Em fevereiro, uma notícia veiculada pelo jornal "The Korea Times" informava que a LG havia iniciado as negociações para a venda da produção global de celulares da marca.
 
No entanto, no fim de março a Bloomberg publicou que após o fracasso das negociações com uma empresa alemã e outra vietnamita, a empresa sul-coreana deve fechar o setor em vez de vendê-lo.
COMENTÁRIOS
PUBLICIDADE