Fotos raras mostram o interior do dirigível Hindenburg antes de seu acidente devastador em 1937
04/03/2021 09:16 em Você Sabia?
EM 04 DE MARÇO DE 1936
 
O Hindenburg voou pela primeira vez em 4 de março de 1936 em um voo teste em friedrichshafen com 87 pessoas a bordo. a pintura inicial continha os anéis olímpicos numa forma de promover os jogos olímpicos de 1936, fazendo um voo de demonstração durante a cerimônia de abertura.
 
 
Durante 14 meses, o Hindenburg realizou 63 voos, transportando muitas vezes mais cerca de 100 passageiros a 135 km/h. Seu primeiro voo comercial saiu da Alemanha para o Brasil, e das 17 vezes em que cruzou o atlântico, 10 foram para os EUA e 7 foram para o Brasil. Seu interior tinha quartos, salões públicos, salas de jantar, de leitura, fumódromos e salões de festas.
 
Seus dias de glória terminaram, porém, em 6 de maio de 1937, quando, ao se preparar-se para pousar em Nova Jersey, nos EUA, um incêndio tomou conta da aeronave, levando-a ao chão e à destruição completa. O fim do Hindenburg foi trágico, público e levou a vida de muitas pessoas. 36 pessoas morreram no acidente, que foi filmado e registrado, para tristeza de todos. Espantosamente, 62 pessoas sobreviveram.
 
 
O uso de hidrogênio no lugar do gás hélio se deu por motivos econômicos, e acabou por selar o destino do zepelim: a sugestão do uso do hélio se dava por motivos de segurança, pelo gás não ser inflamável. Aquilo que parecia ser uma superação e uma apresentação da capacidade humana, se tornou um perfeito exemplo da soberba e da ganância, que ceifou vidas e histórias, assim como faria o horror e a ignorância absoluta do regime.
 
Os dias dos zepelins como meio de transporte se encerram com o trágico acidente do Hindenburg, apontando para o destino abominável que esperava a Alemanha poucos anos depois, assim como de todo o mundo, e que parece ter sido captado pelo narrador que, diante do incêndio e da tragédia que se apresentava diante de sua frente, ao ver o zepelim em chamas só pode exclamar, em lágrimas: “Ah, a humanidade!”.
COMENTÁRIOS
PUBLICIDADE